Tipos de investimento: 6 principais para um portfólio variado

Todo investidor de sucesso deseja o máximo de retorno em cada um dos seus investimentos.

Afinal, os investimentos que têm boa performance podem gerar os lucros necessários para você investir em oportunidades mais interessantes no futuro.

Precisamos concordar que o maior bem de qualquer investidor é o seu portfólio de investimentos. E com a variedade de tipos de investimento disponíveis é preciso ter um planejamento cuidadoso para criar o portfólio mais qualificado possível.

Ter várias opções para investir é excelente, mas existem alguns tipos de investimento que estão sempre presentes nos portfólios dos investidores de sucesso.

Separamos os 6 tipos de investimento indispensáveis para você criar uma carteira de investimentos variada e saudável. Vamos conferir quais são?

Acompanhe:

1. CDB

Os Certificados de Depósito Bancário invertem o tão conhecido papel dos bancos de ceder empréstimos. Nesse modelo, a instituição financeira capta recursos através de investidores (nesse caso, você) e empresta esse dinheiro para outras pessoas.

Da mesma forma que são cobrados juros de quem empresta, o banco paga juros para quem possui CDB’s. Então, ao final do prazo estabelecido para o certificado você receberá juros sobre a quantia emprestada.

Existem duas formas de remuneração: prefixada e pós-fixada. A primeira determina a taxa de juros (ou taxa de remuneração) quando o acordo é firmado, o que a torna fixa até o término do contrato.

Já a segunda, acompanha a variação da taxa SELIC (Sistema Especial de Liquidação e Custódia). Se o cenário econômico apontar uma queda na taxa, o ideal é o acordo prefixado. Se indicar alta na inflação, então o modelo pós-fixado é o mais interessante.

Em ambos os modelos é possível retirar o montante investido antes do final do contrato, mas sem toda a remuneração a que se teria direito.

É um investimento de alta liquidez, já que você pode retirar o montante investido a qualquer momento, e com risco extremamente baixo por ter um retorno fixo. Por isso ele muito é atrativo para um portfólio de investimentos.

2. Títulos públicos

Seguindo com os tipos de investimento onde você empresta capital para uma instituição, os títulos públicos permitem que você ceda dinheiro para atividades do governo federal. Eles são emitidos pelo Tesouro Nacional para financiar a dívida pública do país.

Esse tipo de investimento também é muito adotado pelos investidores brasileiros por ter grande previsibilidade de retorno e baixo risco de crédito.

A taxa de retorno desses títulos pode ser tanto prefixada quanto pós-fixada. O modelo prefixado é aquele onde você sabe a exata rentabilidade do seu título, se mantê-lo até a data de vencimento. O pós-fixada é estabelecido pela taxa SELIC – ou por uma taxa estipulada no momento da compra – mais a variação do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor).

Um investimento direto nos títulos não é um investimento com uma liquidez tão alta como o CDB – já que haverão descontos caso o dinheiro investido seja retirado antes do prazo – mas ainda figura entre os tipos de investimento de alta liquidez.

Para ter mais liquidez com esse ativo financeiro, muitos investidores optam por investir em Fundos DI. Esses fundos aplicam um mínimo de 95% de seu patrimônio em títulos do Tesouro Direto, ou em títulos privados de baixo risco. Esses fundos oferecem um alto grau de liquidez, permitindo que o investidor tire seu dinheiro poucos dias após a realização do investimento.

3. LCI

LCI são Letras de Crédito Imobiliário. É mais um tipo de investimento onde você faz um empréstimo para uma instituição. Nesse caso, é para financiar o setor imobiliário.

Logo, como o CDB, você recebe juros sobre a quantia emprestada dentro de um prazo determinado. Como essa taxa é fixa, o LCI é considerado um investimento de renda fixa e com um baixo grau de risco. Muito porque os investimentos de até R$ 250.000,00 são protegidos pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC) que garante o pagamento do empréstimo caso a instituição bancária fique sem fundos.

Um dos principais atrativos das LCI’s é que esse tipo de investimento é completamente livre de taxação no imposto de renda. Isso é música para os ouvidos de qualquer investidor.

Existem 3 tipos básicos de LCI’s. O primeiro é estabelecido de acordo com um percentual sobre o CDI (Certificado de Depósito Interbancário) pós-fixado. Ou seja, o percentual será calculado após o término do contrato, de acordo com um percentual indicado pelo próprio CDI. É uma opção indicada para alta da taxa SELIC.

A segunda opção é a rentabilidade fixa, prefixada. O percentual é o mesmo que o CDI, e ele é fixado na compra das Letras de Crédito. Se ao final do contrato a taxa do CDI for maior ou menor que a inicial, ainda é levado em conta o que foi fixado no começo do contrato. É indicado quando não existe a expectativa do aumento da SELIC.

A terceira é atrelar o investimento à inflação. Isso significa que se a inflação do ano fechar em 7%, você ganhará 7% + [percentual acordado], por exemplo: 7% + 8% = 15%. É indicado para inflação alta ou crescente.

4. Ações

O mercado de ações é, provavelmente, o tipo de investimento mais famoso de todos. Afinal, está presente em vários filmes e best-sellers (todos já vimos ou lemos O Lobo de Wall Street, não é mesmo?). E faz parte da carteira de investidores de todos os tipos.

Uma ação é a menor parcela que se pode ter do capital de uma empresa. Essas cotas são disponibilizadas para o mercado quando a companhia se torna uma Sociedade Anônima de capital aberto, na forma de uma oferta pública inicial (OPI ou IPO, em inglês).

Ações são negociadas diariamente, por isso variações no preço são muito comuns. Quando há uma grande procura, a tendência é que o preço unitário da ação aumente, seguindo a lei básica de oferta e demanda.

O investidor de ações tem o direito a participar dos lucros através de dividendos distribuídos, e também com a negociação das ações que possui. Porém, o mercado brasileiro possui características que podem se mostrar desafiadoras para quem deseja investir individualmente.

As ações com maior liquidez – e que são comercializadas regularmente – são relacionadas a poucas empresas e a grande variação nos preços exige que o investidor esteja sempre atento às mudanças do mercado.

Por isso, muitos investidores optam por investir através de um fundo de investimento para acessar essa classe de ativo financeiro, pois é uma maneira de gerenciar o portfólio de investimentos de forma mais simples e eficiente.

5. Imóveis

Vale a pena mencionar esse ativo pois historicamente investir em imóveis é um tipo de investimento muito tradicional no Brasil. Um grande motivador é a segurança percebida, mesmo em tempos de crise econômica.

É um investimento de baixa liquidez e que exige muito pesquisa e diligência antes da compra do imóvel.

Moradia e infraestrutura para empresas são duas demandas que sempre existirão. Por isso, tanto imóveis residenciais quanto corporativos (ou industriais, como galpões) fazem parte do portfólio de investimentos de vários investidores.

Eles visam comprar esses imóveis a preços baixos e esperam que ele se valorize ao longo dos anos, fornecendo ganhos de capital no futuro. Além dos ganhos de capital por venda, os imóveis têm a capacidade de gerar receita recorrente na forma de aluguel.

A última consideração sobre imóveis é o custo de manutenção, pois para manter esse ativo em bom estado, o investidor terá que continuar reinvestindo dinheiro (e muitas vezes tempo) na procura e gerenciamento de inquilinos.

6. Investir em startups e empresas em expansão

O investimento anjo em startups é cada vez mais atraente para os investidores. Principalmente para os que entendem a possibilidade de ter grandes retornos a longo prazo.

É um investimento de alto risco, mas os retornos que vêm de um portfólio de startups podem ser extremamente altos. Por isso, um portfólio de startups é algo que se encaixa muito bem na carteira de investimentos de muitos investidores.

Ao fazer um investimento anjo em uma startup você compra uma porcentagem de um negócio que ainda está relativamente pequeno. São startups que tem o potencial de virar uma empresa de grande porte. A ideia é que o valor da sua participação cresça junto com o sucesso e expansão da empresa e, em um momento futuro, você tenha um belo lucro através da venda da sua participação.

Entretanto, existem grandes chances de não haver o retorno de um investimento feito. Por isso, a estratégia recomendada e praticada pelos melhores investidores anjo e fundos de investimento é de construir um portfólio de várias startups. Sempre aplicando quantias semelhantes entre 10-30 startups e growth companies.

Muitos desses investimentos individuais não darão retorno. Mas aqueles que tiverem sucesso deveram fornecer ganhos suficientes para cobrir as perdas do seu portfólio de startups.

Conclusão

Ter um portfólio de investimento variado com diferentes tipos de investimento é indispensável para ser um investidor de sucesso.

Claramente, existem vários ativos financeiros disponíveis que atendem suas necessidades de retornos, prazo e liquidez. Eles vão permitir que você atinja suas metas financeiras na vida – e ainda conquiste um excelente portfólio de investimentos.

O interessante aqui é dividir o seu capital disponível para investimentos e dedicar cada parte para um segmento de investimentos. Afinal, você gostaria de fazer parte da próxima grande startup do mercado, sem perder o seu rendimento fixo, não é mesmo?

Planeje bem os seus investimentos, escolha os melhores tipos para o seu perfil e crie um portfólio variado e saudável.

Você sabe o que é startup e o que é um investidor anjo? Acesse outros artigos para entender melhor sobre esse grande mercado, e o potencial que ele tem a agregar a sua carteira de investimentos. Acesse o site da EqSeed para oportunidades de investimento em startups pré-selecionadas, de forma 100% online.

Leia o post anterior:
o que e marketplace
Marketplace: o que é e por que investir?

Tempo de leitura: 7 minutosO marketplace mudou a forma como as pessoas consomem produtos hoje em dia. Nunca foi tão...

Fechar