Unicórnio ou Zebra?

Startups podem gerar retornos vultuosos para investidores ou fracassos retumbantes. NOVAREJO ouviu o ecossistema de startups e empreendedores para entender como e em quais segmentos o capital está circulando na indústria da inovação.

Raphael Coraccini | marco de 2018

Leia a matéria na íntegra no portal NOVAREJO

Os anos que formaram o epicentro da crise econômica não apresentaram apenas números ruins. Entre 2014 e 2016, os investimentos-anjo, aqueles de menor valor e feitos, em geral, por pessoas físicas, cresceram 20%, segundo dados mais recentes da Anjos do Brasil, associação que reúne e representa os investidores-anjo do País. Em 2016, o ticket médio desse tipo de investimento passou de R$108 mil para pouco mais de R$120 mil. Parece pouco, mas em volume foram movimentados R$851 milhões naquele mesmo ano – um crescimento de 9%.

O crescimento aponta para uma concentração nas fontes de capital, cada vez mais oriundas de investidores experientes. Eles fazem parte de um ecossistema que só se multiplica, o das startups, e agilizaram o processo de inovação de mercados tradicionais e criaram um mercado de investidores profissionais, aportando cada vez mais recursos.

O empreendedor Milton Mitidieri é um desses investidores. Ele mantém 10% de seu portfólio de investimentos, que contempla principalmente bancos e mercado imobiliário, para apostar em startups e só espera retornos a partir do quinto ano.

Mitidieri tem como tese de investimento investir em negócios embrionários, que apresentam maior risco. Ele também tem como premissa o tamanho do problema que a empresa quer resolver. “O ponto de partida deve ser resolver dores que incomodem muita gente, principalmente empresas muito grandes”, explica.

Brian Begnoche, sócio-fundador da plataforma de investimentos EqSeed, que intermedeia a relação entre investidores e startups, indica que os investidores que encontram êxito se caracterizam por diluir seus investimentos em várias empresas. “É aconselhável destinar parcelas mais ou menos iguais a várias startups ao longo de um a dois anos e construir um portfólio. Retornos muito interessantes não vem de um ou dois investimentos, mas de vários”, aponta.

Para o especialista, o investidor também precisa investigar as startups e entender a capacidade dos empreendedores, bem como as possibilidades do mercado. “Todo investidor tem o papel e o dever de entender o mercado, a história dos empreendedores e como funciona o produto, a proposta comercial e também os concorrentes”, alerta.

Para 2018, a EqSeed espera levantar R$12 milhões em investimentos para as startups em sua plataforma. No ano passado, o maior investimento foi na Cotexo, marketplace de peças automotivas que recebeu R$600 mil em três meses. Desse montante, 90% partiu de pessoas físicas, em geral, empresários com histórico no mercado de investimentos.

Unicórnio ou Zebra Cotexo

Marcelo Galli e Wilson Campanholi Jr, sócios da Cotexo: marketplace de peças automativas recebeu R$ 600 mil em três meses

Segundo o presidente da Cotexo, Marcelo Galli, o que atraiu os investidores foi o tempo de mercado da Cotexo e a organização da equipe e dos processos. A empresa operou durante cinco anos antes de recorrer a capital externo, o que, segundo Galli, deu mais tranquilidade para os investidores. O aporte mais alto foi de R$100 mil e a média foi de R$11 mil. Em 2017, a Cotexo faturou R$379 mil, um crescimento de 31% em relação ao ano anterior.

Giuliano Moretti, engenheiro químico e investidor do setor de startups, colocou parte de seu dinheiro na Cotexo. Ele, como Mitideri, dedica 10% do seu portfólio de investimento para as startups e faz um trabalho minucioso de diversificação dos investimentos, com alocações em seis startups que atuam em áreas totalmente diferentes. “É investimento de altíssimo risco e por isso aloco uma fração segura do meu rendimento, sempre de acordo com uma estratégia”, indica.

A estratégia de Moretti no direcionamento de seus investimentos contempla também a relevância socioeconômica dos negócios. “O caput da minha tese de investimento é apostar em empresa que contribua para o desenvolvimento social ao mesmo tempo que traga lucro acima da média”, avalia.

A RÉGUA SUBIU

Unicórnio ou Zebra

A startup Pegaki arrecadou R$ 360 mil em uma rodada de captação de apenas nove dias

A startup Pegaki arrecadou R$360 mil em uma rodada de captação de apenas nove dias. A empresa de logística e inovação entrou no mercado para otimizar o sistema de entrega de produtos no varejo eletrônico. A startup trabalha na criação de uma rede de lojistas credenciados para guardar os produtos vendidos na internet para aqueles consumidores que não conseguem receber os itens em casa. “A proposta é facilitar a entrega para o consumidor e para o e-commerce e aumentar o fluxo das lojas de varejo que servem de ponto de coleta”, aponta João Cristofolini, fundador da startup.

São cem pontos ativos em pequenos e médios negócios, mas também em unidades das redes Carrefour e 5ásec em São Paulo e Rio de Janeiro. Depois da captação, a empresa anunciou planos de abrir mais mil pontos de entrega e contrato firmado para entregar produtos da Dafiti e da Decathlon. Cristofolini revela ainda que a Pegaki deve começar a entregar cartões de credito para bancos e fintechs nos próximos meses.

Brian Begnoche, da EqSeed, que organizou também a rodada da Pegaki, explicou que a régua dos investidores para avaliar as startups está cada vez mais alta. Ele explica que o mercado passa por um processo de maturação que naturalmente elimina negócios mal estruturados. A instrução 588 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), publicada em julho de 2017, impôs mais responsabilidades às plataformas de investimento e às startups. Agora, a CVM é responsável por regular a relação entre startups e investidores.

Unicórnio ou Zebra

“Só poderão captar dinheiro as plataformas com autorização da CVM. Todo assunto mais complexo de estruturação das rodadas de investimento fica para a plataforma, que tem responsabilidade de se reportar à CVM. Isso traz mais segurança para os investidores”, avalia Begnoche.

O varejo pede startups

Unicórnio ou Zebra

Se a mortalidade das startups é grande, o retorno com elas é acima da média do mercado. Um estudo da Grant Thornton e da Anjos do Brasil mostra que, a cada real investido em startups, a economia recebe R$5,80 ao fim de cinco anos. Não por acaso, grandes empresas de todos os setores têm integrado startups ao seu ecossistema. Um estudo realizado pela 100 Open Startups em 2017 apontou que o número de negócios firmados entre startups e corporações aumentou 194%.

A Bacio Di Latte, varejista especializada em doces e sorvetes especiais, observou o potencial da Peepi, startup de programas de incentivos a consumidores e colaboradores que “defendem” uma marca. A startup conseguiu R$360mil em investimentos ao longo de dois meses, e fechou contrato com a empresa para cuidar da imagem dos colaboradores e consumidores que defendem a marca nas redes sociais.

Felipe Tomé, presidente da Peepi, afirma que as recomendações de amigos são a fonte mais confiável de informação para 92% dos consumidores. “Hoje, a decisão de comprar é mais baseada em recomendação de outra pessoa do que em qualquer outro tipo de mídia”, diz Felipe.

O Grupo Pão de Açúcar está incentivando o programa da Liga Ventures de aceleração de startups. Raphael Augusto, startup Hunter da Liga Ventures, revela o que a rede varejista observa nas startups. “Primeiro, a composição do time, se ele é competente, cooperativo e multidisciplinar. Além disso, o modelo de negócio, o grau de inovação e o mercado no qual estão se propondo a entrar. E, finalmente, a parte da tração, que significa o quanto aquela startup já começou a crescer dentro do mercado. A gente pega tudo isso e cruza com a demanda da corporação”, enumera.

Mesmo como mercado ascendente, investimentos em startups ainda podem ser considerados como um ato de coragem por quem coloca seu capital no setor. “Realmente, é uma militância, mesmo que prometa lucros acima do mercado no futuro. A verdade é que é um investimento de alto risco que conta muito mais, hoje, com a vontade do investidor de participar do processo de inovação do País”, conclui Milton Mitidieri.

 

Gostaria de ver mais sobre a EqSeed na imprensa? Confira essa matéria ou visite nossa página de imprensa:

Você S/A destaca EqSeed como uma das fintechs mais revolucionárias no país

Confira as oportunidades de investimentos em startups na EqSeed ou leia mais sobre por que investir em startups no blog da EqSeed.

Leia o post anterior:
Como encontrar o próximo unicórnio?

Como encontrar o próximo unicórnio? Por Brian Begnoche | Março de 2018 Para ler a matéria na íntegra, acesse o...

Fechar